Dois homens e Uma Justificação

o-fariseu-e-o-publicanoNo Evangelho escrito pelo médico e historiador Lucas, no capítulo 18, versículos 10 ao 14, encontra-se narrada a conhecida história de dois homens e seu comportamento ao adentrarem no templo, como elemento revelador do conteúdo que preenchia o interior de cada um.

O primeiro, um fariseu (palavra que descreve um integrante de um dedicado grupo religioso), orava “consigo mesmo”, disse Jesus. Em sua oração, procurava demonstrar para Deus as qualidades religiosas que possuía e a superioridade que pensava ter em relação aos outros, em razão de tais qualificações.

O segundo, um publicano (palavra que descreve um funcionário público, encarregado de arrecadar impostos para Roma), manteve-se no fundo do templo. E, batendo no peito, dizia “Ó Deus, tem misericórdia de mim, pecador”.

Ao refletir sobre essa passagem, fico a indagar o que proporcionou a produção subjetiva expressa em suas orações e só posso chegar à conclusão que foi o conteúdo linguístico ao qual ambos foram expostos.

Um integrava o grupo religioso que, por alcançar uma prática até louvável, começou a exaltar àqueles que juntavam-se a eles pela simples adesão, independentemente de uma transformação interior.

O outro estava naquele grupo que era alvo de certo preconceito por parte da sociedade e era exposto às suas debilidades e até acusado de coisas que não praticava.

O primeiro exposto a elogios e autoconfiança, chegando quase ao ponto de elogiar Deus por ter tal servo. O segundo exposto a palavras que lhe faziam perceber sua necessidade de superar-se e humilhar-se a Deus sequer ousa levantar a cabeça para falar ao mesmo Deus. Este voltou para casa aceitável e justificado por Deus, disse Jesus.

Se você me acompanhou até aqui, quero trazer-lhe para os nossos dias e para nossos templos. Ouça as afirmações, orações e canções dizendo:

“Dê liberdade ao Espírito de Deus”.

“Deixa Deus te tocar.”

“Doce Espírito és bem-vindo aqui.”

“Jesus, pode entrar. A casa é tua.”

Na grande maioria, frases como estas surgem de músicas feitas por gente que tem o mesmo sentimento, a mesma produção subjetiva que o fariseu.

Ocorre que essas músicas são repetidas e suas frases reproduzidas nas próximas canções, nos expondo continuamente a elas até criarem em nós sentimentos, percepções e uma cultura destoantes da realidade bíblica, da pureza doutrinária e das verdadeiras características do relacionamento do homem com o verdadeiro Deus.

Não é fácil tratar do tema e refutar o conteúdo dessas músicas porque as pessoas já as cantaram tantas vezes e agora fica difícil admitir que a letra não está adequada.

Mas, o faço com grande esforço, sabendo da rejeição a tais críticas e até da acusação de ser eu o fariseu, porque sei da influência que a música exerce na produção subjetiva e intelectual do indivíduo a ela exposto. Tanto que o reformador Martinho Lutero disse que o sucesso da Reforma não era devido aos seus escritos, mas aos 37 hinos que “carregaram aos quatro cantos suas doutrinas”.

Um dos posts que menos gosto em meu blog é Pequena Reflexão Sobre a Música Raridade. Justamente em razão da grande rejeição que sofri das pessoas próximas. Mas, por incrível que pareça, é o mais acessado, aproximando-se de 2.000 (dois mil) acessos somente neste ano de 2018.

Assim, retomo a crítica a tais hinos, os quais acabam virando pregações e orações que contrariam claramente o conteúdo bíblico e a doutrina saída da boca do próprio Senhor Jesus.

Se criamos essa “figura cultural” de que o templo seria uma ‘casa de Deus”, onde os seus filhos se reúnem para louvá-lo e ter comunhão, como seremos nós os que vamos dizer a ele “Senhor, seja bem-vindo aqui”, e “pode entrar?!

Estamos tão ensoberbecidos que já estamos “dando permissões” a Deus e não percebemos.

Não estamos sendo piores que o fariseu? E, ao invés disso, não deveríamos, a exemplo do publicano, nutrir um sentimento de humilhação e orar, pregar e cantar “Senhor, que eu seja bem-vindo em tua casa e que tenhas misericórdia de mim”?!!

Mais uma vez, vai lhe parecer implicância, chatice e bobagem minha. Mas, lhe convido à reflexão, em humildade e oração.

A quem estamos nos assemelhando em nossos procedimentos em relação a Deus? Ao fariseu autoconfiante, exaltado e soberbo, ou ao publicano humilde e suplicante?

Lembremos de que apenas um desses homens foi justificado ou aceito em sua oração a Deus.

Haga de HaroldoF. Haroldo de Sousa – Procurando ser achado Servo de Deus, Estudante das Escrituras, Coordenador e Professor da Escola Bíblica Dominical, Orientador no Curso de Teologia do IBE, Evangelista, Leitor dos Pensadores Clássicos e Contemporâneos, Advogado, Pós-graduando em Filosofia.

Anúncios

A Sobriedade da Obra de Deus

 

chibatadas

Sabendo que não foi com coisas corruptíveis, como prata ou ouro, que fostes resgatados da vossa vã maneira de viver que por tradição recebestes dos vossos pais, mas com o precioso sangue de Cristo, como de um cordeiro imaculado e incontaminado.  [I Pe 1:18,19]

A mim, me parece lamentável que tenhamos que discutir, nos dias atuais, sobre o uso ou não de bebida alcoólica pelos cristãos, especialmente pelos obreiros. O vinho é impróprio aos que presidem [Pv 31.4].

Deveríamos estar discutindo a verdadeira sobriedade da obra.

A vedação ao vinho, no caso do Levítico 10:9 e de outras passagens do Antigo Testamento, é sombra da sobriedade que deve repousar sobre a vida cristã e, principalmente, do obreiro.

Cosmovisão embasada na Bíblia, fala temperada, autenticidade no ser, moderação em tudo, forma contida de ser que demonstra a verdadeira santidade, irresignação contra o pecado. Esses são alguns aspectos da sobriedade que o Senhor espera daqueles que se nomeiam seus filhos [I Pedro 1:15,16].

Quando falta isso, as pessoas agem como bêbados que dizem e fazem qualquer coisa, como se os outros estivessem perdido o senso e o discernimento, assim como elas perderam.

O bêbado fala qualquer coisa e age de qualquer modo, sem temor, nem vergonha dos seus atos porque a consciência da percepção alheia e das consequências lhe foi afastada pelo álcool.

Assim têm agido alguns crentes, obreiros e até denominações inteiras, seguindo a “embriagues” de seus líderes.

Para mim, é insuportável ouvir o “evangelho” que alguns pregam e vivem na atualidade, fazendo de Jesus um garçom de uma gente metida, exigente, cheios de manhas (se isso, se aquilo). Alguns, petulantes que não respeitam ninguém, especialmente os mais velhos.

Homens autonomeados apóstolos, pessoas que não participam de nada, se não for ele mesmo o realizador ou aquele que vai aparecer como o “humilde servo”.

TODOS OS VERSÍCULOS ABAIXO TRATAM DA SOBRIEDADE DE QUE ESTOU FALANDO. NÃO DE ÁLCOOL:

1 Tessalonicenses 5:6
1 Tessalonicenses 5:8
1 Pedro 4:7
Tito 2:2
1 Timóteo 3:2
2 Timóteo 4:5
1 Pedro 1:13
1 Pedro 5:8

Vejamos o que diz a doutrina dos apóstolos:

Aos presbíteros [Aqui é todo ministro do evangelho], que estão entre vós, admoesto eu, que sou também presbítero [Pedro] com eles, e testemunha das aflições de Cristo, e participante da glória que se há de revelar:

Apascentai o rebanho de Deus, que está entre vós, tendo cuidado dele, não por força, mas voluntariamente; nem por torpe ganância, mas de ânimo pronto;

Nem como tendo domínio sobre a herança de Deus, mas servindo de exemplo ao rebanho.

E, quando aparecer o Sumo Pastor, alcançareis a incorruptível coroa da glória.

Semelhantemente vós jovens, sede sujeitos aos anciãos; e sede todos sujeitos uns aos outros, e revesti-vos de humildade, porque Deus resiste aos soberbos, mas dá graça aos humildes.

Humilhai-vos, pois, debaixo da potente mão de Deus, para que a seu tempo vos exalte;

Lançando sobre ele toda a vossa ansiedade, porque ele tem cuidado de vós.

Sede sóbrios; vigiai; porque o diabo, vosso adversário, anda em derredor, bramando como leão, buscando a quem possa tragar;

Ao qual resisti firmes na fé, sabendo que as mesmas aflições se cumprem entre os vossos irmãos no mundo.

E o Deus de toda a graça, que em Cristo Jesus nos chamou à sua eterna glória, depois de havemos padecido um pouco, ele mesmo vos aperfeiçoe, confirme, fortifique e estabeleça.

A ele seja a glória e o poderio para todo o sempre. Amém. [1 Pedro 5:1-11]

É essa a verdadeira mensagem da sobriedade que Deus requer de seus filhos: Uma completa separação entre o santo e o profano, por meio de uma consciência viva, sóbria e santa.

Haga de Haroldo

F. Haroldo de Sousa – Procurando ser achado Servo de Deus, Estudante das Escrituras, Coordenador e Professor da Escola Bíblica Dominical, Orientador no Curso de Teologia do IBE, Evangelista, Leitor dos Pensadores Clássicos e Contemporâneos,  Advogado, Pós-graduando em Filosofia.

Sobre a Sabedoria – Dois Direcionadores

_sterreich_austria_styria_steiermark_berg_berge_mountain_mountains-291280[…] para que o Deus de nosso Senhor Jesus Cristo, o Pai da glória vos dê um espírito de sabedoria e de revelação no pleno conhecimento dele.       Efésios 1.7

Percebe-se que Paulo demonstrava verdadeira preocupação e intenso desejo de que, aos cristãos, Deus desse um espírito de sabedoria e revelação dEle mesmo.

No entanto, podemos notar facilmente que muitos não demonstram desejo interior de crescer em conhecimento.

Será que essa sabedoria que vem por revelação ao espírito humano ocorrerá por acaso?

Não leem a bíblia, nem um livro sobre a mesma. Não ouvem pregações (apesar de tantas disponíveis) e não demonstram o mínimo valor por um estudo bíblico na igreja. Muito menos sobre o conhecimento comum e geral das coisas que nos rodeiam.

Como tais pessoas superarão a conformidade com o mundo [Rm 12:2], da qual também falou Paulo à igreja de Roma,  se não conhecem o caminho que devem seguir e não conseguem distinguir “o mundo”, sistema rejeitado por Deus, daquilo que deve aplicar ao seu cotidiano?

E o que dizer de obreiros que se quer capacitam-se para trazer uma mensagem quando estão escalados para tal? Isso não seria grande coisa, mas o mínimo, pois o obreiro chamado por Deus tem o papel de edificar a igreja [Efésios 4:11], o que significa causar nela o impacto que a faça diferente do mundo.

Dadas tais considerações, acredito que devamos melhorar nosso foco. Quer sejamos obreiros, quer não, devemos desejar e buscar compreensão de Deus para todos os aspectos de nossa vida. Isso é desfrutar do poder dEle em nós e em prol dos que nos rodeiam.

O que mais me maravilha é que o Senhor dá sabedoria a todos que a buscam [Tiago 1:5]. Porém, quanto ao conhecimento, é a pessoa quem precisa adquirir e, dele, Deus extrai a sabedoria, pela revelação no espírito humano. 

Muitos pensam que “Deus colocou um chip” com toda a sabedoria no cérebro de Salomão e ele acordou sábio. Vejamos o que ele diz disso: “E apliquei o meu coração a esquadrinhar e a informar-me com sabedoria de tudo quanto sucede debaixo do céu.” [Eclesiastes 1:13]

Nos meus dias de caminhada com Deus, tenho visto como o Senhor dá sabedoria a homens que tiveram pouca ou muita oportunidade de receber instrução. Todavia, nunca vi um sábio que fosse relapso em buscar conhecimento, que não fosse esforçado em compreender as coisas e, essencialmente, que não reconhecesse sua intensa necessidade de aprender.

Por outro lado, tenho visto homens soberbos, tanto doutos, quanto de pouca escolaridade, e que acham sempre que sabem, e que as coisas são do jeito que ele pensa e que não precisa “investigar” a si mesmo. A estes, Paulo diz que “quem cuida saber alguma coisa, ainda não aprendeu como convém saber” [ 1 Corintios 8:2].

De tudo que acabamos de ler, podemos concluir que nossa atitude como servos, e no Reino de Deus, deve passar por dois  indispensáveis direcionadores: um desejo intenso e contínuo, expresso na busca pelo conhecimento e uma inarredável humildade em admitir que o conhecimento que adquirimos precisa estar humilhado debaixo de nossa limitação diante daquele que é o que detém e pode nos revelar a verdadeira sabedoria, a qual não é terrena, mas vem do alto [Tiago 3:17].

Considera o que digo, porque o Senhor te dará entendimento em tudo. [2 Timóteo 2:7]

Haga de Haroldo

F. Haroldo de Sousa –Procurando ser achado Servo de Deus, Estudante das Escrituras, Coordenador e Professor da Escola Bíblica Dominical, Orientador no Curso de Teologia do IBE, Evangelista, Leitor dos Pensadores Clássicos e Contemporâneos,  Advogado, Pós-graduando em Filosofia.